O nó górdio da economia mundial

(fonte: http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/o-no-gordio-da-economia-mundial)

Data de publicação:  15/06/2010

Coluna Econômica – 15/06/2010

A economia tem correlações muitas vezes difíceis de entender, eventos aqui que influenciam setores ali, gerando influências acolá.

Vou tentar montar uma explicação esquemática sobre a crise.

Sempre que existe muita moeda ou muito crédito em circulação, cria-se uma situação propícia para “bolhas de preços” – isto é, alta de preços de ativos (ações, títulos da dívida de países, commodities) muito acima do normal.

Essas altas, se continuadas por períodos longos, provoca o chamado efeito-manada. O investidor compra algo não por seu valor intrínseco, mas por acreditar que poderá passar para frente por um valor maior.

Cria-se a “bolha”, a alta artificial, que pode durar algum tempo ou muitos anos. Quando estoura, há o fenômeno da “deflação” – isto é, da queda violenta de preços. E aí escangalha com as garantias bancárias. É um efeito-cascata terrível, já que alguns ativos servem de garantia para outros ativos. Cria-se um buraco entre o dinheiro emprestado e as garantias, exigindo a intervenção dos Bancos Centrais, para impedir uma quebradeira generalizada. Foi isso o que ocorreu no ano passado.

Até então tinha-se uma crise financeira, que acabou tendo desdobramentos na economia real quando afetou o crédito das empresas. Recomposto o crédito, a economia mundial poderia voltar a funcionar. Isso não ocorreu devido a novos fatores.

Para salvar o sistema financeiro, os Bancos Centrais mundiais precisaram emitir títulos de dívida em proporção muito grande. Mais que isso, enquanto as economias nacionais cresciam, aumentava-se a dívida pública sempre supondo que o crescimento da economia mantivesse as condições de solvência da dívida.

Quando houve quedas do PIB, ocorreram dois fenômenos complexos. De um lado, o crescimento da dívida e do déficit público tornaram-se incompatíveis com o novo PIB. De outro, veio à tona a parte mais perigosa do jogo especulativo: os pesados empréstimos concedidos a estados nacionais, hoje à beira da quebra.

Criou-se então a armadilha. Estados Unidos e países europeus enfrentam o problema do déficit fiscal e da estagnação econômica.

Para combater a estagnação, precisam manter políticas de incentivos fiscais e juros baixos. Mas, fazendo isso, aprofundam o déficit fiscal. Com o aumento do déficit, aumenta a percepção de risco, provocando uma desvalororização nos títulos nacionais.

Por outro lado, se os países implementam políticas fiscais agressivas, matam a recuperação da economia, provocam conflitos sociais.

Mais ainda. Os Estados Unidos e a Europa sempre foram clientes preferenciais para produtos da China, Japão e Ásia em geral. Implementando políticas fiscais agressivas, cai o ritmo da economia, reduzindo as importações.

Sem o mercado interno como alavanca, os países passam a experimentar desvalorizações de suas moedas, para melhorar sua competitividade no mercado internacional. Fazendo isso, recria-se a mesma corrida suicida pós crise de 29.

E países que deixaram suas moedas se valorizarem de forma imprudente – o Brasil na frente de todos – pagam a conta mais adiante.

Anúncios

Sobre ldcfonseca

Psicólogo, professor universitário. Membro da atual diretoria do Sindicato dos Psicólogos de São Paulo. Membro do FLAMAS - Fórum da Luta AntiMAnicomial de Sorocaba. Membro do comitê gestor do Núcleo Sorocaba da Associação Brasileira de Psicologia Social - ABRAPSO. Mestrando em Psicologia Social pelo IP-USP. À escuta do não dito. Por uma sociedade SEM manicômios.
Esse post foi publicado em Economia. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s