A formação sindical hoje

Do Portal Vermelho

Formação sindical na conjuntura atual

Augusto César Petta *

Vivemos uma conjuntura que nos permite transmitir idéias, debatê-las, influenciar outras pessoas. Essa possibilidade de participação democrática nem sempre ocorre. Basta voltarmos ao Brasil, de 1964 a 1985, época da ditadura.

Em 1975, lecionava nas Faculdades da Zona Leste (hoje UNICID). Em outubro, foi torturado e morto o jornalista Wladimir Herzog. Ocorreram manifestações contra a ditadura. Ao chegar à Faculdade, fui abordado por um colega, que lecionava Sociologia: “Pelo programa, hoje começaria a abordar Marx. Acha que devo abordar, nesse momento tão tenso ? “ Respondi: “ Deve dar continuidade normal ao programa, tomando os devidos cuidados.”

O colega assim fez. No intervalo, um aluno disse:“Por que todo sociólogo é comunista?” O professor respondeu: “Não é verdade, há sociólogos com as mais variadas posições políticas e ideológicas”. O aluno retrucou: “Lá no DOI-CODI, onde trabalho, todos os sociólogos presos são comunistas”. O professor dirigiu a conversa para a inadequação da amostragem que o aluno utilizava. Ainda, no intervalo, encontrei-me com o professor que afirmou que não continuaria ensinando a teoria marxista, porque poderia ser preso.

A ditadura caiu em 1985 e um período democrático teve início. Não vivemos uma democracia plena. Trata-se da democracia burguesa, onde predominam os interesses do capital. Mas, interessa mais à luta dos trabalhadores e trabalhadoras do que a ditadura. Sobre a república democrática burguesa, Marx escreveu em “As lutas de classe na França de 1848 a 1850”, que sua constituição sanciona o poder social da burguesia, ao mesmo tempo que retira as garantias políticas desse poder, impondo-lhe “condições democráticas que, a todo momento contribuem para a vitória das classes que lhe são hostis e põem em risco as próprias bases da sociedade burguesa”.

Nessa conjuntura, é fundamental o processo de formação que ocorre, quer sejam nos movimentos que visem melhorar os salários e as condições de trabalho, quer sejam nos que se referem à luta política propriamente dita, como por exemplo, nas eleições que ocorrerão em outubro . Por outro lado, a formação acontece nos cursos, debates, palestras, seminários, elaborações de planejamentos estratégicos.

Desenvolve-se positivamente, o convênio assinado pela CTB presidida por Wagner Gomes e que tem como Secretária de Formação e Cultura, Celina Areas, e pelo CES, presidido por Gilda Almeida. Desde novembro de 2008, estiveram presentes 947 sindicalistas nos Cursos de Formação Básica, 171 nos Seminários de elaboração de Planejamento Estratégico, 196 em cursos e seminários nacionais, 357 nos cursos, oficinas e seminários de planejamento estratégico nas entidades de base da CTB e 580 em palestras. Ao todo, são 2251 participantes.

Mas o grande desafio do momento é a participação efetiva dos sindicalistas na eleição de candidatos comprometidos com as transformações profundas da sociedade brasileira, com a construção de um projeto nacional de desenvolvimento, que distribua a renda nacional e que valorize o trabalho. E no processo eleitoral, apresenta-se uma grande oportunidade para os sindicalistas se formarem e contribuírem no processo de formação dos trabalhadores e trabalhadoras em geral. Ao enfrentarem o debate – que traz a descrença na política como um dos seus componentes básicos – os sindicalistas precisam se preparar, estudando, procurando argumentos que possam convencer. Ao mesmo tempo, nesse diálogo, os trabalhadores e trabalhadoras continuam o seu processo de formação. Assim, o processo eleitoral nos leva a ter dois objetivos claros: a conquista dos votos e a possibilidade concreta de contribuirmos para a elevação do nível de consciência dos trabalhadores e trabalhadoras.

* Professor, sociólogo, Coordenador Técnico do Centro de Estudos Sindicais (CES), membro da Comissão Sindical Nacional do PCdoB, ex- Presidente do SINPRO-Campinas e região, ex-Presidente da CONTEE.

Anúncios

Sobre ldcfonseca

Psicólogo, professor universitário. Membro da atual diretoria do Sindicato dos Psicólogos de São Paulo. Membro do FLAMAS - Fórum da Luta AntiMAnicomial de Sorocaba. Membro do comitê gestor do Núcleo Sorocaba da Associação Brasileira de Psicologia Social - ABRAPSO. Mestrando em Psicologia Social pelo IP-USP. À escuta do não dito. Por uma sociedade SEM manicômios.
Esse post foi publicado em Eleições 2010, Mundo, Trabalho. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s